Combate ao Aedes Aegypti: prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika.

09 de May de 2019 - 10:15

A prevenção ao mosquito Aedes Aegypti é a única forma de combate às doenças Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela. Ciente disso, convocamos a todos a continuar, de forma permanente, com a mobilização pelo combate a este mosquito que pode gerar, ainda, outras enfermidades como microcefalia e Guillain-Barré.

De acordo com dados apresentados pelo Ministério da Saúde, foram registrados até meados do mês de março de 2019, 244.068 casos prováveis de Dengue, Chikungunya ou Zika. Um aumento de 176% em relação ao ano de 2018, quando foram registrados para o mesmo período 88.296 casos prováveis das doenças.

O que fazer para combater o mosquito Aedes Aegypti?

A principal ação é se informar, conscientizar e evitar água parada em qualquer local em que ela possa se acumular. Além disso, é importante:

  • Manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água;
  • Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;
  • Manter caixas d’agua bem fechadas;
  • Remover galhos e folhas de calhas;
  • Não deixar água acumulada sobre a laje;
  • Encher pratinhos de vasos com areia ate a borda ou lavá-los uma vez por semana;
  • Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;
  • Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;
  • Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • Acondicionar pneus em locais cobertos;
  • Fazer sempre manutenção de piscinas;
  • Tampar ralos;
  • Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;
  • Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;
  • Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;
  • Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;
  • Catar sacos plásticos e lixo do quintal.

Os maiores casos e epidemias das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti ocorrem no período das chuvas, em razão das condições ambientais estarem mais propícias ao desenvolvimento dos ovos. No entanto, é importante ter cuidado com todos os locais que podem acumular água parada em qualquer época do ano, pois os ovos são resistentes a dessecação e podem sobreviver no meio ambiente 450 dias, bastando pouca quantidade de água como uma pequena poça para que haja a eclosão das larvas.

Quando o foco do mosquito é detectado e não pode ser eliminado pelos moradores, como em terrenos baldios ou lixo acumulado na rua, a Secretaria Municipal de Saúde de sua cidade deve ser acionada para remover os possíveis criadouros. Veja aqui como entrar em contato.

Vamos ficar atentos e redobrar os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito. Essa é a única forma de prevenção. Faça a sua parte!

Fonte: ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e Ministério da Saúde. 

 

Todos os direitos reservados © 2016.
Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS - N° 31390-4