Janeiro Branco: a saúde mental em foco

07 de janeiro de 2022 - 09:58

Setembro Amarelo, Outubro Rosa, Novembro Azul... Você provavelmente já ouviu falar de alguma, ou de todas estas campanhas.

Cada uma delas cumpre um propósito específico de conscientização sobre alguma doença ou condição, e o Janeiro Branco tem o mesmo objetivo.

Janeiro foi o mês escolhido por psicólogos de Uberlândia, Minas Gerais, para representar a campanha, que foi idealizada em 2014. O mês foi escolhido por seu simbolismo popular e cultural, já que é no início de um novo ano que pessoas costumam realizar resoluções e repensarem hábitos.  

Uma folha em branco

Foi dessa forma que os idealizadores da campanha encararam o processo de incentivo pela busca do bem-estar psicológico e pela saúde mental.

Desde então, todos os anos a iniciativa promove palestras, oficinas, cursos, entrevistas e muitos outros eventos para reunir e debater o tema.

O objetivo de todos estes esforços é gerar a conscientização da população acerca da importância de cuidar da saúde mental em um cenário mundial com índices alarmantes de transtornos de ansiedade e depressão.

Saúde Mental no Brasil

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil lidera o ranking como país com maior prevalência de Ansiedade no mundo, com um total de 9,3% da população diagnosticada.

Quando se trata de Depressão, o total de brasileiros diagnosticados é de 5,8%, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, que tem 5,9% de sua população acometida pelo transtorno.

E quando o assunto é suicídio, ele ocupa o terceiro lugar na lista de causas de morte externa, perdendo apenas para acidentes e agressões.  

Influência da Pandemia

Se os dados brasileiros sobre saúde mental já não eram promissores, com a pandemia de COVID-19, o cenário se tornou ainda pior.

Uma pesquisa encomendada pelo Fórum Econômico Mundial, e realizada pelo Instituto Ipsos, ouviu cerca de 21 mil entrevistados e concluiu que 53% dos brasileiros sentiram piora no bem-estar mental em 2020.

O índice é menor apenas que o de outros quatro países: Itália (54%), Hungria (56%), Chile (56%) e Turquia (61%).

Especialistas acreditam que além do clima de insegurança gerado pela própria pandemia, o isolamento e o afastamento das redes de apoio também tiveram grande impacto na saúde mental do brasileiro.  

Pequenos hábitos fazem toda diferença

Em meio a tantas incertezas e situações adversas, é necessário encontrar uma válvula de escape. O cuidado com a saúde mental é o mecanismo que pode ajudá-lo e encarar os obstáculos da vida com mais leveza.

Neste processo, a terapia e o auxílio de profissionais da área da psicologia são fundamentais, e ao contrário do que se pensa, muitas instituições oferecem assistência psicológica a preços simbólicos ou gratuitamente em todo país.

Alguns comportamentos e mudanças na rotina também têm impacto significativo no bem-estar mental, confira algumas:

 

  • Realize exercícios regularmente
  • Mantenha o sono em dia
  • Identifique suas fontes de estresse e tente contorná-las
  • Dedique um tempo a si mesmo
  • Tenha um hobby
  • Não tenha medo de pedir ajuda
  • Passe mais tempo ao ar livre e em contato com a natureza

 

Cada indivíduo pode encontrar bem-estar em diferentes atividades, por isso é importante entender o que funciona melhor para você. Uma caminhada relaxante, meditação, tomar um banho demorado... Não existe resposta certa.

Neste Janeiro Branco, repense os hábitos que deseja carregar consigo durante todo o ano, estimule amigos e familiares a buscarem mais qualidade de vida e saúde mental, e não se esqueça: ela é tão importante quanto sua saúde física!  

 

 

Fontes:

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no site. Ao utilizar o www.eletrossaude.com.br você estará de acordo com os critérios de monitoramento dos cookies. Para ter mais informações como isso é feito, acesse a Política de Privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.

Todos os direitos reservados © 2016.
Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS - N° 31390-4