Conscientização e diagnóstico precoce: 14 de novembro é o Dia Mundial de Combate ao Diabetes

12 de novembro de 2021 - 10:05

Quando o assunto é diabetes, o consumo de doces é frequentemente apontado como o único vilão. A questão, no entanto, é um pouco mais complexa do que isso. Para conscientizar a população sobre o tema, 14 de novembro é oficialmente marcado por ações voltadas para o Dia Mundial de Combate ao Diabetes.

Segundo dados preliminares do Atlas Diabetes 2021, divulgado pela Federação Internacional de Diabetes (IDF, sigla em inglês), houve um salto espantoso de casos desde a última edição do levantamento, realizada em 2019. Em dois anos, o número de pessoas com a doença no mundo cresceu em 16%, aumentando de 463 milhões para 537 milhões de diabéticos atualmente. Isto significa que 1 a cada 10 adultos desenvolveram a doença. No Brasil, há a estimativa de que mais de 16 milhões de pessoas vivam com a enfermidade.

Os dados da IDF mostram também que quase metade dos diabéticos não sabem que possuem a doença, o que é muito preocupante, já que a falta de tratamento e controle da doença podem gerar complicações graves à saúde e causar até a morte.

Quer entender a importância da data e descobrir atitudes que ajudam a prevenir e lidar com o diabetes? Leia este artigo completo!

Afinal, o que é diabetes?

Diabetes Mellitus é uma síndrome metabólica decorrente da falta de insulina ou da incapacidade do organismo de utilizá-la adequadamente. A insulina, produzida pelo pâncreas, controla a quantidade de glicose no sangue. A falta de insulina dificulta a metabolização da glicose, provocando aumento nas taxas de açúcar e, consequentemente, causando diabetes.

Quais os tipos?

  • Tipo 1: é causada pela destruição das células produtoras de insulina, em decorrência de problemas no sistema imunológico, quando os anticorpos atacam as células que produzem esse hormônio. Ocorre em cerca de 5 a 10% dos diabéticos.
  • Tipo 2: é proveniente da resistência à insulina e da deficiência na secreção de insulina. Acomete cerca de 90% dos diabéticos.
  • Diabetes Gestacional: é a diminuição da tolerância à glicose, diagnosticada pela primeira vez na gestação, podendo ou não continuar após o parto. Sua causa exata ainda não é conhecida.
  • Outros tipos: são decorrentes de defeitos genéticos associados com outras doenças ou com o uso de medicamentos.

Sintomas

Os sintomas mais comuns de diabetes são sede excessiva e constante, fome frequente, fraqueza, cansaço, muita vontade de urinar, má cicatrização, visão embaçada ou alterada, náusea e formigamento no corpo.

Complicações

O prolongamento das altas taxas de açúcar no sangue pode trazer graves danos à saúde, como lesões na retina do olho e, posteriormente, perda da visão, aumento do risco de infecções, alterações nos vasos sanguíneos dos rins até gerar paralisia do órgão, infarto do miocárdio e acidente vascular, entre outros.

Prevenção e tratamento

O diagnóstico precoce do diabetes e o acompanhamento médico são peças fundamentais no enfrentamento da doença. O quanto antes o paciente tiver ciência de seu nível glicêmico, mais otimistas são as expectativas de tratamento.

Caso tenha histórico familiar de diabetes, é recomendável que a pessoa busque manter o peso considerado adequado por seu médico, não fume, evite medicamentos que possam agredir o pâncreas e pratique atividade física com regularidade.

As pessoas que já têm diabetes são orientadas a ficar atentas às lesões, manter alimentação saudável, praticar atividades físicas, controlar o índice de glicemia e ir ao médico com regularidade.

Para além das boas práticas, o Guia Alimentar para a População Brasileira é um bom aliado na hora de reavaliar as práticas alimentares, sempre acompanhado da supervisão de um nutricionista. O documento, de acesso público, oferece as diretrizes alimentares oficiais para a nossa população. Você pode encontrá-lo e baixá-lo no site do Ministério da Saúde: https://www.gov.br/saude/ptbr/assuntos/saudebrasil/publicacoes-para-promocao-a-saude/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf/view.  

Todas as pessoas, diabéticas ou não, devem contar com uma dieta baseada em alimentos in natura, como frutas, verduras, carnes e legumes. Além disso, devem evitar ou limitar o consumo de alimentos processados e ultraprocessados, como enlatados, sorvetes e macarrão instantâneo.

São instruções para toda a população, mas que devem ser levadas com ainda mais seriedade no caso de pessoas diabéticas. O tratamento de quem vive com a doença deve ser estabelecido a longo prazo, de modo contínuo.

Por isso, o Dia Mundial de Combate ao Diabetes é um momento importante para estimular a disseminação de conhecimento sobre o tema e promover o diagnóstico precoce, apoiando, orientando e melhorando a expectativa de vida dos diabéticos.

Se você possui algum dos sintomas ou complicações citados acima, procure um médico para avaliação do seu caso. A conscientização do diabetes pode salvar vidas!

Fontes:

  • https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf
  • https://www.unimed.coop.br/web/costadosol/noticias/dia-nacional-de-combate-a-diabetes-14-de-novembro